A nós, análogos

Eu sou o eco do seu grito
Ou a confusão da sua alma
Ou a dança que a gente dança
E ninguém nunca bate palma

Ou o silêncio que as vezes
Pesa sobre nós
Ou as suas alvas mãos
Que me seguram e desatam os nós

Ou só contradição,
Ou toda condição,
Ou todo sonho que sonhamos sós.

Sei lá o que sou,
Sou a cidade em pó
E o mundo estendido pelo chão

Eu sou pirata só,
que fecha um olho
Para com o que lhe resta
Enxergar melhor

E você é o que há ao meu redor
E eu vim então,trazer-te companhia
E o que restou da poesia,
Pra você se embriagar
Depois que a festa acabar
E todo mundo descobrir-se só

Depois que todo laço virar nó
Tome do meu copo um gole de cerveja
E veja,que sou pura pressa e dor
Sinta como pulsa a minha rebeldia
no seu peito rock n roll
Tome do meu copo outro gole de cerveja
E veja,como pulsa a minha rebeldia amor

Um comentário sobre “A nós, análogos”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s